Questões de Línguas Outras

Lista completa de Questões de Línguas Outras para resolução totalmente grátis. Selecione os assuntos no filtro de questões e comece a resolver exercícios.

Sobre a história do intérprete de Libras no Brasil, considere as seguintes afirmativas:

1. A estudante Denise Coutinho foi a primeira pessoa a assumir a interpretação da Libras publicamente, em evento coletivo, podendo ser considerada a primeira intérprete de Libras no Rio de Janeiro, quiçá no Brasil.

2. Ricardo Sander foi o primeiro intérprete a apresentar o Hino Nacional em Libras, em eventos oficiais da FENEIS.

3. Em 1988, a FENEIS realizou, no Rio de Janeiro, o I Encontro Nacional dos Intérpretes em Língua de Sinais e, nesse ano, publicou uma espécie de manual, com o título “A Importância dos Intérpretes da Linguagem de Sinais”.

4. Em 2002, foi realizado o II Encontro Nacional de Intérpretes, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ocasião em que foi aprovado o código de ética da categoria. Nessa ocasião, a intérprete e pesquisadora de Libras Ronice Muller de Quadros lançou o livro “O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa”.

Assinale a alternativa correta.

  • A. Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
  • B. Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
  • C. Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
  • D. Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.
  • E. As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.

João, 16 anos de idade, aluno matriculado no EJA, apresenta interesse na interação com Paulo, seu colega surdo, mas ainda não aprendeu a se comunicar por meio da Libras. Por conta disso, sua professora recomendou-lhe a tradução como possibilidade de inclusão social. Atendendo à recomendação da professora, João passou a utilizar o software ProDeaf, que traduz a sua voz para Libras. Levando em conta os tipos de tradução apontados por Guerini e Costa (2007), assinale a alternativa correta sobre o ProdDeaf.

  • A. Por ser um aplicativo e poder ser utilizado também na web, classifica-se como tradução online, uma vez que a ferramenta é habilitada na internet.
  • B. É um tradutor automático, pois a tradução é feita por meios mecânicos, ou seja, sem a intervenção direta de um ser humano.
  • C. Mesmo tendo o teclado para se digitar textos, pode ser classificado na categoria de tradução oral, pois foi desenvolvido de acordo com a base cultural que envolve línguas de modalidade auditiva, como o português.
  • D. É um tradutor do par de idiomas Libras-Português que, por depender da presença de um recurso tecnológico, pode ser entendido como tradução consecutiva, já que o tempo de processamento é diferenciado em relação à tradução simultânea.
  • E. É um tradutor eletrônico, pois a tradução é feita eletronicamente a partir da alimentação de vocabulários novos no sinalário do banco de dados.

Numere a coluna da direita, relacionando as premissas extraídas das ideias de Friedrich Schleiermacher, apresentadas por Heidermann (2009), com os respectivos tipos de tradução.

Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo.

  • A. 1 – 1 – 2 – 3.
  • B. 1 – 2 – 3 – 3.
  • C. 3 – 1 – 1 – 2.
  • D. 2 – 3 – 2 – 1.
  • E. 3 – 3 – 1 – 2.

Sobre a constituição do profissional tradutor intérprete, considere as seguintes afirmativas:

1. Vários autores, entre eles Massuti e Santos (2008), argumentam que o processo de tradução se configura para além de aspectos linguísticos, pois requer estratégias que levem em conta não só as subjetividades do tradutor intérprete e da pessoa surda, mas, também, aspectos que são centrais na cultura surda e na cultura ouvinte.

2. Perlin (2006) conceitua o tradutor intérprete de língua de sinais (TILS) como intérprete da cultura, da língua e da história das pessoas surdas. O ato de traduzir/interpretar é fazer parte da história do outro, o outro surdo. E fazer parte significa se colocar à disposição para entender esse outro, os seus afetos e as suas experiências de vida.

3. Segundo Marques e Oliveira (2009), a partir de uma perspectiva fenomenológica, os tradutores intérpretes de língua de sinais estão o tempo todo assimilando e internalizando novos lugares, novas temporalidades e movendo símbolos carregados de afetividade, motivo pelo qual se encontram num espaço privilegiado de acumulação de conhecimento maximizado em relação a Ser Surdo.

4. Para Massutti (2007), o intérprete seria como um leitor cultural e agenciador de sentidos traduzidos em zonas fronteiriças de contato, marcadas por tensões subjetivas que reinventam os sujeitos não de acordo com uma ou outra cultura, mas conforme o regime híbrido que tece enredos emotivos e cognitivos.

Assinale a alternativa correta.

  • A. Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras.
  • B. Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras.
  • C. Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
  • D. Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras.
  • E. As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.

Considere as imagens abaixo, extraídas de Strobel e Fernandes (1998):

 Com base nessas imagens, assinale a alternativa correta.

  • A. A imagem A representa variações sociais dos sinais, e a imagem B refere-se à representação das alterações decorrentes dos costumes da geração que o utiliza.
  • B. A imagem A representa as variações regionais do sinal VERDE, e a imagem B refere-se a variações dialetais.
  • C. A imagem A representa as variações sociais do sinal VERDE, e a imagem B refere-se a variações da motivação do sinal, ou seja, mudança do status de iconicidade para arbitrariedade.
  • D. A imagem A representa as variações de sinais de uma cidade para outra, no mesmo país, e a imagem B refere-se a variações na configuração das mãos e/ou no movimento, não modificando o sentido do sinal.
  • E. A imagem A representa a variação na composição morfológica dos sinais e a imagem B refere-se a variações sociais do sinal de AJUDAR.

Rodrigues e Valente (2011) colocam o uso do espaço como um apontamento útil ao cotidiano do tradutor-intérprete de Libras. As autoras dizem que, por serem línguas espaço-visuais, os usuários das línguas de sinais empregam o espaço linguisticamente. Em relação ao uso do espaço como recurso linguístico, assinale a alternativa que apresenta fenômenos da Libras que estão na base da constituição do sistema pronominal e da concordância verbal.

  • A. Trata-se dos elementos dêiticos, que são construídos pela apontação para lugares específicos no espaço, os quais remetem a referentes diferentes, e dos verbos direcionais (com concordância), em que a direção de realização do sinal indica o sujeito e o objeto do verbo.
  • B. Trata-se do apontamento direcional no uso do pronome. Por exemplo, o sinal de EU é realizado com o apontamento para o receptor da mensagem, e o pronome de segunda pessoa é realizado com o apontar para quem é emissor da mensagem.
  • C. Trata-se da apontação para lugares específicos no espaço, os quais remetem a referentes diferentes, e dos verbos simples, em que a direção de realização do sinal indica o sujeito e o objeto do verbo. Como exemplo, pode-se citar a concordância do verbo ENTREGAR, em que o sujeito é a terceira pessoa, e o objeto indireto, a segunda pessoa.
  • D. Trata-se do espaço real, onde o referente que se procura representar participa do ambiente físico real no qual ocorre a situação de comunicação, e do espaço token, em que o referente que se pretende representar diz respeito à terceira pessoa.
  • E. Trata-se dos elementos dêiticos, que são construídos no processo de incorporação de gestos como signos linguísticos nas línguas de sinais, e dos verbos que classificam os referentes em pontos específicos ao redor do corpo do sinalizante.

Considere o texto abaixo:

No que diz respeito à relação entre estudos linguísticos e línguas de sinais, sob o ponto de vista das autoras, é correto afirmar:

  • A. O interesse em relação ao estudo das línguas de sinais se deu por conta da reestruturação linguística e da proposição de concepções teóricas modernas.
  • B. Os estudos linguísticos evidenciam a riqueza e a complexidade da modalidade da língua brasileira de sinais para seu campo descritivo-conceitual.
  • C. As línguas de sinais, há um bom tempo, vêm sendo objeto de estudo no meio acadêmico, e nessas pesquisas constatou-se que elas não podem ser analisadas à luz de teorias tradicionais das línguas orais.
  • D. Os estudos linguísticos da Libras no Brasil só emergiram na academia após a regulamentação legal do idioma e a sua inserção nos currículos dos cursos superiores.
  • E. O interesse em relação ao estudo das línguas de sinais se deu por conta da fragilidade conceitual dos constructos das línguas orais.

Sobre a relação entre língua oral e língua de sinais apontada por Gesser (2009), identifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as seguintes afirmativas:

( ) A língua de sinais tem estrutura própria e é autônoma, ou seja, independente de qualquer língua oral em sua concepção linguística. Apesar disso, no bimodalismo, a estrutura sintática do português, muitas vezes, é presente durante o uso da Libras.

( ) As marcas de imposição da estrutura do português em falares sinalizados se caracteriza como uma forma de hibridismo e funciona como uma estratégia para aqueles ouvintes que estão iniciando o contato e a aprendizagem da língua de sinais, sendo que a fala oral é inerente à cultura dos ouvintes e, portanto, é difícil desvencilhar-se dela.

( ) As marcas de imposição da estrutura do português em falares sinalizados advêm das mãos de surdos oralizados (congênitos ou adquiridos) que, em primeiro lugar, fazem uso da oralidade e rejeitam a língua de sinais. A partir do momento em que passam a utilizar a língua de sinais, eles o fazem ainda tendo em vista a supremacia da fala.

( ) A comunidade surda está inserida na e cercada pela comunidade majoritária ouvinte, e isso faz com que as línguas de sinais estejam em contato direto com as línguas orais locais. Essa “coabitação” linguística faz com que haja não compreensão entre surdos e ouvintes.

( ) A relação entre as línguas não é, nem nunca foi, neutra ou simétrica. Sempre há em jogo questões de poder e as decorrentes situações de conflito, como no caso da língua oral e da língua de sinais, em que a língua dominante tenta abocanhar a língua dominada.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.

  • A. V – V – F – F – F.
  • B. F – F – V – V – F.
  • C. V – V – V – F – F.
  • D. F – F – V – V – V.
  • E. V – V – F – F – V.

A glosa ao lado se refere ao registro de uma interação em Libras. Baseando-se na transcrição dos sinais, assinale a alternativa correta.

  • A. No cumprimento dos interlocutores, o sinal O-I expressa a informalidade da interação.
  • B. No segundo bloco de interação, em “LEMBRAR NÃO” há demonstração de que o verbo LEMBRAR em Libras é produzido com incorporação da negação.
  • C. No terceiro bloco de interação, “VOCÊ 2sENSINAR1s LIBRAS. AQUI. LEMBRAR?”, há demonstração de que o sinal AQUI é usado em Libras como um pronome interrogativo.
  • D. No terceiro bloco de interação, em “VOCÊ 2sENSINAR1s LIBRAS. AQUI. LEMBRAR?” há demonstração de que o sinal LEMBRAR é um verbo que possui marca de concordância pessoal em Libras.
  • E. Na expressão “EU IR AULA” há demonstração de que o verbo IR é classificado em Libras como um verbo de locomoção.

A imagem ao lado ilustra um importante fato histórico de duas pessoas conhecidas pela comunidade surda representado no clássico filme “O milagre de Anne Sullivan”. Sobre a narrativa, assinale a alternativa que descreve a relação entre as duas personagens da imagem.

  • A. A professora chamada Helen Keller ensinava a menina, que era surdocega. A menina chamava-se Anne Sullivan.
  • B. A professora Anne Sullivan era cega e, apesar disso, ensinava língua de sinais tátil a Helen, que tinha síndrome da surdez.
  • C. A professora chamada Helen Keller ensinava a menina Anne Sullivan por meio da leitura e da escrita, pois na época em que viveram não existia o Braille e a língua de sinais.
  • D. Helen Keller ficou surda e cega aos 2 anos de idade em consequência de febre alta e seus pais procuraram uma professora especializada: Anne Sullivan.
  • E. A professora Anne Sullivan tentava oralizar Helen Keller, colocando os dedos da menina sobre sua garganta, lábios e nariz.
Provas e Concursos

O Provas e Concursos é um banco de dados de questões de concursos públicos organizadas por matéria, assunto, ano, banca organizadora, etc

Parceiros

Caso deseje ser um parceiro entre em contato.

questoes de concurso

cupom de desconto

body feminino

pci concursos

bendito guia

{TITLE}

{CONTENT}

{TITLE}

{CONTENT}
Provas e Concursos
0%
Aguarde, enviando solicitação!

Aguarde, enviando solicitação...