Questões de Desenho Industrial da Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Lista completa de Questões de Desenho Industrial da Fundação Getúlio Vargas (FGV) para resolução totalmente grátis. Selecione os assuntos no filtro de questões e comece a resolver exercícios.

Analise as afirmativas que se seguem:

I. A escala Europa se aplica à reflexão da luz pelo papel. Por isso, é adequada para o controle das cores nas impressões em policromias.
II. A escala RGB se aplica às cores emitidas diretamente pelas ondas luminosas. Por isso, é adequada para aplicações de layout em monitores.
III. Pantone é uma marca registrada, e seus padrões se destinam ao controle de impressões com menos de quatro tintas ou em cores impossíveis de serem obtidas pelo uso da escala Europa.

Assinale:

  • A.

    se apenas a alternativa I estiver correta.

  • B.

    se apenas a alternativa II estiver correta.

  • C.

    se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.

  • D.

    se apenas as afirmativas II e III estiverem corretas.

  • E.

    se todas as alternativas estiverem corretas.

São famílias tipográficas com serifa:

  • A. Avant-Garde, Bodoni, Futura e Garamond.
  • B. Baskerville, Bodoni, Garamond e Univ
  • C. Baskerville, Bodoni, Garamond e Memphis.
  • D. Avant-Garde, Baskerville, Garamond e Memphis.
  • E. Bodoni, Futura, Garamond e Memphis.

Lineatura é:

  • A.

    o padrão de definição dos grafismos, em oposição aos contragrafismos, nas chapas utilizadas como matriz de impressão no processo off-set, sendo definido quando da conversão dos elementos do layout para o padrão cromático adequado.

  • B.

    a medida que verifica a exatidão da tonalidade das cores nos processos off-set e flexográfico, de acordo com o estabelecido pelos arquivos gerados no processo de fotolitagem.

  • C.

    o padrão de resolução da impressão em cor preta nos elementos convertidos para o padrão CMYK.

  • D.

    a propriedade que estabelece a resolução das imagens nos fotolitos, variando de acordo com o processo de impressão e as propriedades do papel que serão utilizados.

  • E.

    um padrão de controle de qualidade da impressão da alçada dos gráficos do off-set, cujos parâmetros são estabelecidos a partir das especificações técnicas da máquina impressora utilizada na produção.

Em cartazes e outros impressos, caso seja necessário veicular elementos primários da identidade visual das instituições envolvidas, deve-se priorizar para essa identificação o uso, no layout final, de:

  • A.

    arquivos de imagem vetorial.

  • B.

    arquivos de texto convertidos, fornecidos pelos representantes de tais instituições.

  • C.

    arquivos de imagem bitmap.

  • D.

    arquivos PDF, fornecidos pelos representantes de tais instituições.

  • E.

    não há ainda no mercado um padrão consolidado, variando de acordo com o processo e a plataforma.

Analise as afirmativas que se seguem:

I. Os formatos tecnológicos mais utilizados hoje nas fontes digitais para design gráfico são o Adobe Post-script e o True Type, ambos relativos a fontes vetoriais.
II. A diferença entre traking e kerning é que o primeiro é um controle que se refere ao espaço médio aplicado na composição entre os caracteres, enquanto o segundo é um ajuste fino entre determinados caracteres, para compensação ótica.
III. Em arquivos de layout destinados a fotolitagem, não é recomendável o uso simultâneo de fontes vetoriais que utilizem padrões tecnológicos diferentes.

Assinale:

  • A.

    se apenas a afirmativa I estiver correta.

  • B.

    se apenas a afirmativa III estiver correta.

  • C.

    se apenas as afirmativas I e II estiverem corretas.

  • D.

    se apenas as afirmativas I e III estiverem corretas.

  • E.

    se todas as afirmativas estiverem corretas.

Segundo o livro Sistemas de identidade visual, tais sistemas se compõem por três classes de elementos: os primários, os secundários e os adicionais. Conforme as noções e a terminologia da autora, quais são os elementos primários de um sistema de identidade visual?

  • A.

    a logomarca, as cores institucionais e o símbolo

  • B.

    a marca, a logo e o tipograma

  • C.

    o símbolo, o logotipo e a marca

  • D.

    a logomarca, o logotipo e as cores institucionais

  • E.

    o símbolo, o tipograma e o alfabeto institucional

O livro Design no Brasil: origens e instalação tornou-se um marco bibliográfico ao ser lançado, em 1997, porque evidenciou uma revisão historiográfica no design brasileiro, que, por sua vez, refletiu discussões paradigmáticas sobre a atividade no mundo todo. Essa revisão foi provocada principalmente porque:

  • A.

    a autora mostra que a escolha do Rio de Janeiro como sede da primeira escola de design de nível superior no país, quando a transferência da capital para Brasília já permitia um processo de descentralização e interiorização do parque industrial brasileiro, retardou por décadas a efetiva inserção do design como ferramenta do processo produtivo, com a reprodução de modelos paradigmáticos viciados por práticas ultrapassadas, adotadas desde o Estado Novo.

  • B.

    a autora demonstra que a instalação da escola pelo Governo Federal não levou em conta as práticas projetuais já desenvolvidas no parque industrial brasileiro, especialmente na área da comunicação visual, preterindo-as em nome das diretrizes traçadas pelos ideólogos da Escola de Chicago e da Escola de Ulm – adequadas aos países centrais, mas descontextualizadas da realidade dos países periféricos.

  • C.

    a autora mostra que, ao privilegiar a escolha de artistas e outros agentes ligados à área cultural para a elaboração do projeto pedagógico da nova escola, em detrimento de técnicos e outros agentes efetivamente envolvidos na produção industrial, a criação da escola representou o marco histórico da inserção do design no país como atividade de criação individual, e não como etapa projetual da produção.

  • D.

    a autora evidencia a aplicação acrítica do modelo paradigmático racionalista da Escola de Ulm na criação da primeira escola de design de nível superior no país, em detrimento do desenvolvimento de alternativas originais e autóctones, e sua reprodução contínua por meio da endogenia de professores e sua influência nos demais cursos criados a partir de então.

  • E.

    a autora mostra que a escolha do Rio de Janeiro como sede da nova escola, calcada nos moldes da política desenvolvimentista então adotada no país, não levou em conta a proeminência do parque industrial paulista e o surto industrial que já se evidenciava na região sul, dificultando e mesmo inviabilizando a adoção efetiva do design como item de modernização da economia brasileira.

Assinale a afirmativa incorreta.

  • A.

    O processo flexográfico é largamente utilizado na indústria de embalagens, devido ao seu baixo custo. Esse processo conta com inúmeros aperfeiçoamentos tecnológicos recentes, podendo gerar tanto impressos de baixa qualidade quanto de qualidade comparável à de processos que tradicionalmente trazem melhores resultados.

  • B.

    Devido ao alto custo unitário, a chamada "impressão digital" não é recomendada para altas tiragens, sendo economicamente vantajosa, porém, para pequenas tiragens em policromia.

  • C.

    A rotogravura é um processo de impressão de alto custo, adequado para altas tiragens, e comumente utilizado em semanários informativos com grande quantidade de fotos.

  • D.

    No Brasil, a serigrafia não é utilizada na produção industrial, já que só é economicamente vantajosa no caso de baixas tiragens.

  • E.

    O processo off-set é o mais utilizado para a produção de cartazes, folhetos e demais impressos cuja projetação e arte-finalização é mais comum para o profissional do cargo ao qual se destina este concurso.

Assinale afirmativa incorreta.

  • A.

    Apesar do desenvolvimento de novos estudos acerca da percepção e da linguagem, a Teoria da Gestalt continua sendo a principal referência para a projetação em design gráfico, no que concerne a esses aspectos. Tal se deve ao fato de que ela identifica princípios simples – as chamadas "leis", como as de semelhança, proximidade, fechamento, figura e fundo – que orientam a disposição dos elementos visuais de maneira a facilitar a rápida decodificação do layout pelo usuário.

  • B.

    Entre as relações apontadas pela Teoria da Gestalt que possibilitarão o agrupamento das partes da imagem na percepção visual, estão a proximidade, a semelhança, a pregnância, a boa continuidade, e o fechamento.

  • C.

    As chamadas "leis" da Gestalt, baseadas em pesquisas científicas desenvolvidas no início do século XX – incluindo experimentos práticos com indivíduos –, mapeiam, de forma sintética, princípios de percepção próprios da natureza humana e que devem ser respeitados na organização dos layouts, permitindo a eficiência da comunicação a partir dos próprios instintos perceptivos do homem.

  • D.

    A Teoria da Gestalt parte de duas constatações, quais sejam: a percepção humana se dá pelo "todo", e não pelas partes isoladas; e, para formar o "todo", o observador tende a agrupar os elementos em grupos que interagem entre si.

  • E.

    O termo "gestalt", de difícil tradução, significa "forma", "imagem", "todo", embutindo a noção de que qualquer conformação visual consiste numa relação de forças entre seus elementos, na qual cada um deles interfere na percepção do outro e todos formam um conjunto comum que não equivale à sua simples soma, já que o sentido individual de cada elemento é alterado justamente pelas demais.

Na definição das dimensões de um impresso, caso a variável custo seja preponderante na decisão, os seguintes elementos da matriz de impressão devem, de maneira geral, ser levados em conta para o cálculo do aproveitamento do papel:

  • A.

    as margens laterais, da tira de cor, de controle da lineatura, de sangramento e da perda do refile.

  • B.

    a área útil de impressão (definida pelas margens laterais e da pinça, já embutida aí a tira de cor), as margens para as marcas de impressão (corte, dobras, serrilhados, etc.) e margens de sangramento, caso o layout os preveja.

  • C.

    as áreas de impressão lipófila e hidrófila, sendo subtraídas da área lipófila as margens laterais, da pinça, dos sangramentos e da tira de cor.

  • D.

    a área útil de impressão (definida pelas margens laterais, da tira de cor e do controle da lineatura), margens para as marcas de impressão (corte, dobras, serrilhados, etc.) e margens de sangramento, caso o layout os preveja.

  • E.

    a área de impressão lipófila (margens laterais, da pinça, da tira de cor, de controle da lineatura e de sangramento), com desconto da área hidrófila e da perda do refile.

Provas e Concursos

O Provas e Concursos é um banco de dados de questões de concursos públicos organizadas por matéria, assunto, ano, banca organizadora, etc

Parceiros

Caso deseje ser um parceiro entre em contato.

questoes de concurso

cupom de desconto

body feminino

pci concursos

bendito guia

{TITLE}

{CONTENT}

{TITLE}

{CONTENT}
Provas e Concursos
0%
Aguarde, enviando solicitação!

Aguarde, enviando solicitação...